Posts Tagged ‘pop’

Eternal Summers – Silver

11/12/2010

Silver [2010] <- Download

O Eternal Summers consiste em Nicole Yun (guitarra e vocal) e Daniel Cundiff (bateria). A dupla vem de Roanoke, no estado americano da Virginia, e acaba de lançar seu álbum de estréia. Sucedendo o EP homônimo de 2009, Silver saiu pela Kanine Records (Grizzly Bear, Surfer Blood, Depreciation Guild) no final de setembro. São 32 minutos e 12 faixas, que honram a tradição indie pop minimalista de nomes como Beat Happening, Lois, Felt, Young Marble Giants e Oh-Ok.

Se o material não pode ser classificado como lo-fi, também fica longe do lustroso debute do Best Coast. Não há grandes abusos de reverb, fuzz ou qualquer artifício de estúdio, além das sutis dobras na voz de Nicole. Embora minimalista, o som é cheio e confortável. A produção confere presença às guitarras limpas e principalmente às batidas primitivas — adornadas com bom uso de meia-lua e chocalhos. Ocasionais backing vocals, de Daniel ou em overdubs da sempre suave Nicole, completam os arranjos.

Joe Christmas – Upstairs, Overlooking

25/10/2010

Upstairs, Ovelooking [1995] <- Download

Antes de se chamar Joe Christmas, o grupo de Athens lançou um EP, em 1993, sob o nome Crayon. Quando descobriram uma banda homônima mais antiga, em Washington (que, por sua vez, daria origem ao Tullycraft), os colegas de escola decidiram batizar-se com o nome do protagonista mestiço de Luz em Agosto, de William Faulkner. O primeiro EP oficial veio em seguida, chamando atenção no cenário independente e garantindo, logo após o ingresso dos integrantes em diferentes universidades (o que parecia decretar o fim da diversão), um convite para gravar um álbum pela Flying Tart.

Mas Upstairs, Overlooking, estreia do quarteto, prometia mais do que a Flying Tart poderia realizar. O selo passou, então, a bola para a Tooth & Nail — na época um nome importante —, que lançou o disco no verão americano de 1995. Produzido por Chris Colbert, o primeiro álbum do Joe Christmas representa bem o clima do indie americano na metade dos anos 90. As guitarras distorcidas adornam canções eminentemente pop, e o caráter naïve da maior parte das letras — como na sensacional Coupleaskate — lembra que os integrantes mal haviam se  despedido da puberdade. A referência a Faulkner prova-se mais um reflexo das aulas de literatura no colegial do que um indício de erudição.

O segundo disco do Joe Christmas, North To The Future, saiu em 1997 — ano em que o grupo se dissolveu para dar origem ao também ótimo Summer Hymns, tomando o rumo do alt-country.

Wavves – King Of The Beach

22/06/2010

King Of The Beach [2010] <- Download

Até poucos dias atrás, algo um bocado chato acontecia quando se tentava tocar qualquer música do Wavves numa discotecagem: em questão de segundos, alguém cheio de boas intenções se materializava ao lado do DJ, disposto a ensiná-lo sobre os fundamentos básicos do VU e salvar o sistema de som do local. É provável que situação semelhante tenha ocorrido com as estações de TV e de rádio corajosas o suficiente para levar a banda ao ar — recebendo, de pronto, telefonemas indignados, provocando lucro para oficinas de eletrodomésticos ou simplesmente perdendo audiência.

Parece que Nathan Williams se cansou disso. No terceiro disco de seu projeto, o VU enfim se mexe — com bastante liberdade. Perto da obra-prima Wavvves, do ano passado, e de seu irmão Wavves, de 2008, King Of The Beach não poderia soar mais radiofônico. A boa notícia é que as canções ainda são boas, e não há mais as infelizes encheções de linguiça entre as faixas. Preste atenção à seqüência final, com Mickey Mouse, Convertable Baloon (que lembra muito o Of Montreal) e Baby Say Goodbye. Saindo oficialmente pela Fat Possum no início de agosto, King Of The Beach é polido e acessível o suficiente para, com um trabalho eficaz de divulgação — e um uso esperto da imagem do colírio Williams —, tomar para si as pistas, TVs e rádios de rock do mundo.

Wavves - Convertable Balloon

Wavves - Idiot

Number One Cup – Possum Trot Plan

06/06/2010

Possum Trot Plan [1995] <- Download

A estréia do Number One Cup é composta por nada menos que 20 canções. Lançado em 1995 pela Flydaddy, Possum Trot Plan traz 45 minutos de boas guitarras e melodias, sem desperdícios. Assim como nos discos seguintes, o trio de Chicago agrega boa parte do que havia de melhor no rock independente da época — a perfeita Divebomb, por exemplo, poderia se encaixar na linhagem das canções mais pop do Pavement. Fãs de Yo La Tengo, Sleepy Township, Beatnik Filmstars e Tullycraft também encontrarão muito com o que se divertir aqui; inclusive nas letras, coloquiais e bem-humoradas, características do indie pop.

O Number One Cup já passou pelo Last Splash com o igualmente excelente Wrecked By Lions, de 1997, sucessor de Possum Trot Plan.

Number One Cup - DivebombNumber One Cup - Aspirin Burns

Last Splash #1: NOISE

30/04/2010


Last Splash #1: NOISE [2010] <- Download

Inaugurando uma nova seção no Last Splash, dedicada a coletâneas temáticas. Neste primeiro post, reunimos grupos indispensáveis para entender o que vem sendo feito de melhor no quesito NOISE POP.

Alguns dos nomes presentes na compilação estão entre os favoritos da casa. O genial Times New Viking, com seu barulho perfeito; o Intelligence, com o garage mais esquizofrênico da última década; e o Wavves, reis do surf ensurdecedor – além das sensacionais inglesas do PENS. Entre outras coisas, também incluímos, em primeira mão, o Top Surprise próximo lançamento da Pug Records. Todos têm em comum gravações lo-fi indelicadas para os tímpanos, que contrastam com uma predileção por melodias diretas e estruturas simples. Se gostar desta coletânea, não deixe de baixar também a The World’s Lousy With Ideas Vol. 8.