Posts Tagged ‘olympia’

The Casual Dots – The Casual Dots

15/12/2009

The Casual Dots [2004] <- Download

O Casual Dots surgiu em Washington, DC. Composto por Kathi Wilcox (Bikini Kill, Frumpies), Steve Dore (Deep Lust) e Christina Billotte (Slant 6), o supergrupo lançou em 2004 seu único álbum, pela Kill Rock Stars. The Casual Dots foi produzido por Guy Picciotto (Fugazi) e Don Zientara. Boas guitarras sustentam o vocal melódico de Billote, entrosadas entre si e com a bateria simples e forte de Dore. Em vez de compensar com barulho a ausência de um baixo, o Casual Dots valoriza esse vazio. Tudo no disco é claro e direto. O senso espacial do trio colore dez faixas, com constantes referências à soul music e ao garage rock dos anos 60. I’ll Dry My Tears é uma versão de Etta James, e Bumble Bee é de Laverne Baker.

Casual Dots - Clocks
Casual Dots - E.S.P. For Now

D+ – D+

10/12/2009

D+ [1997] <- Download

Bret Lunsford tocava guitarra e bateria no Beat Happening. Depois de gravar You Turn Me On, em 1992, o trio de Olympia praticamente encerrou suas atividades. Bret voltou para sua casa em Anacortes, onde fundou o selo KNW-YR-OWN e criou o D+, acompanhado inicialmente por Phil Elvrum, do Microphones, e por Karl Blau. Apesar de negligenciado até por fanzines, o D+ tem uma discografia consistente, com os dois primeiros álbuns lançados pela K Recs e os outros seis pela Knw-Yr-Own. Produzida por Calvin Johnson e batizada com o mesmo nome da banda, a estréia do D+, de 97, é um dos melhores títulos do catálogo da K.

D+ remete a Black Candy, álbum mais Cramps do Beat Happening. Há semelhanças também com a estética crooner 50’s da carreira solo do Calvin e até com o groove do Halo Benders. O instrumental é minimalista; com timbres secos, vocais sem muito ritmo e uma batida que não empolga. Bret fez um disco pop erguido a partir de um sentimento de monotonia, que te leva a ouvir repetidas vezes sua voz anasalada lamentando o quanto é entediante a vida moderna. Pequenos silêncios dividem as músicas, como se Bret parasse por um segundo para pensar se vale à pena continuar — felizmente, por enquanto a resposta é positiva.

D+ - Super 8D+ - Jaywalker

The Frumpies – Frumpie One Piece

21/08/2009

Download

Frumpie One Piece [1998] <- Download

O Frumpies se formou na cidade de Olympia em 92, como um projeto paralelo de três integrantes do Bikini Kill. Billy Karren, Tobi Vail e Kathi Wilcox tocavam guitarra, e tinham nas baquetas Molly Neuman, integrante de outra banda seminal para o riot grrrl, o Bratmobile. Acompanhadas eventualmente por Michelle Mae (baixista do Make-Up), elas gravaram alguns singles no começo dos anos 90, mas as agendas de suas bandas não permitiram que o Frumpies continuasse. Em 96 o discurso riot já estava desgastado, e o Bikini Kill foi diminuindo suas atividades até terminar no ano seguinte. Enquanto Bill Karren buscava novos caminhos com o eletrônico Le Tigre, as demais integrantes pareciam não muito preocupadas em se atualizar, ressuscitando o Frumpies e um antigo four-track para gravar mais alguns singles.

Lançado em 98, Frumpie One Piece tem 40 minutos distribuídos em 24 músicas, sendo que a letra de algumas delas se resume à repetição de seu título. Os vocais estridentes e as guitarras descontroladas soam excessivamente toscos até para os padrões da Kill Rock Stars, por onde o disco saiu. Mas ao final da coletânea, quando a cabeça do ouvinte já está prestes a estourar, aparecem faixas menos agressivas e até mesmo fofas – mais uma evidência da proximidade, improvável porém real, entre o twee pop e o riot grrrl.

Malice and DiscontentDeliberate Indifference

The Go Team – Archer Come Sparrow

18/05/2009

k7

Archer Come Sparrow [1989] <- Download

Já falei aqui sobre o Go Team, que era comandado por Calvin Johnson e sua ex-namorada Tobi Vail (Bikini Kill). Archer Come Sparrow saiu em cassete pela K Recs em 89, mesmo ano em que a dupla gravou aqueles nove singles com a participação de vários nomes do underground americano. A fita foi antecedida pela demo Donna Parker Pop, que trazia seis faixas instrumentais e uma declaração em seu encarte: Make up your own words and sing along. Algumas pessoas realmente o fizeram, e três delas acabaram cantando suas composições em Archer Come Sparrow, o último lançamento do Go Team.

Sem tanta interferência de outros artistas, Archer Come Sparrow é uma reencarnação tosca do Beat Happening em seus primeiros discos, referenciando de maneira ainda mais primitiva Velvet e Cramps. Acid Autumn se resume a duas guitarras mal tocadas, que dialogam em dedilhados infantis para criar seis minutos de uma atmosfera tão sublime quanto a de Tigger Trap. A psicodélica Intercept Irradiate e a garageira Crash Cavern são outras dois longos momentos instrumentais capazes de envolver até os ouvintes mais impacientes. A K7 é tão foda que é possível encontrar pelo menos duas candidatas a melhor faixa da carreira do Calvin: Keep-A-Way e Help Me If You Can – sendo esta última cantada por Curt Homan, um cara que levou a sério o recado de Donna Parker Pop.

Help Me If You Can
Keep-A-Way

Tribute To Beat Happening

15/03/2009

fortune cookie prize

Fortune Cookie Prize [1992] <- Download

Fortune Cookie Prize é um tributo ao Beat Hapenning que saiu em 92 pela Simple Machines. O nome do disco vem do título de uma das faixas de Dreamy, lançado pelo trio de Olympia em 91, mesmo ano em que o tributo foi gravado. Vários ícones do rock alternativo americano participaram desta homenagem à banda de Calvin Johnson, entre eles o casal Thurston Moore e Kim Gordon, Lou Barlow, Velocity Girl, Superchunk e Unrest. Precisa dizer mais alguma coisa?

Thurston, Kim + Epic - Black Candy
Leaky Chipmunk - Our Secret