VA – The Velvets Revolution

by


The Velvets Revolution [2009] <- Download

Entre os que atribuem ao Velvet Underground o título de banda seminal, apenas uma minoria consegue citar exemplos de influenciados para confirmar o que dizem. É o efeito Mate-me Por Favor, responsável por fazer muita gente acreditar ser possível sintetizar a importância do VU em 443 páginas.  Encartada na última edição da Uncut, a coletânea The Velvets Revolution – 15 Bands Inspired By The Velvet Underground pode ajudar essas pessoas a entender o legado dos novaiorquinos. Não se trata de um tributo convencional, desses com regravações; mas de uma pequena amostra da difusa e duradoura influência do grupo para o rock alternativo.

Na virada para os anos 80, as bandas americanas Feelies e Suicide representaram bem o quanto a água de uma mesma fonte pode causar diferentes efeitos colaterais – jangle pop e no wave, respectivamente. Do outro lado Atlântico, ainda nos anos 80, os extremos vão do proto-indie-pop do Orange Juice ao kraut-shoegaze do Loop. Smog, numa faixa bem Lou Reed, e Hope Sandoval, emulando a Nico, são os nomes mais conhecidos dos anos 90. Entre os filhotes nascidos nesta década, estão o Thee Oh Sees e as Vivian Girls, ambos já devidamente elogiados em posts anteriores. Sobram ainda mais sete artistas que eu desconheço, mas que também fizeram ótimas canções sob influência de Lou Reed e Cia.

Vivian Girls - Tension
 Magik Markers - Risperdal

Tags: , , , , , , , , ,

2 Respostas to “VA – The Velvets Revolution”

  1. Comet Gain « last splash Says:

    […] ao invés de apenas emular os panteões do twee pop. O debute, Casino Classics, de 93, revisita de Velvet a Undertones, passando pelo mod até encontrar semelhanças com os contemporâneos Stereolab e […]

  2. Magik Markers – I Trust My Guitar, Etc. « last splash Says:

    […] O Magik Markers surgiu na pequena Hartford, capital do estado de Connecticut, em 2001. Lançados em CD-R por selos que até o Google desconhece, os primeiros registros da banda resgatam os primórdios da cena no wave, quando hardcore e art rock caminhavam juntos. As performances caóticas do grupo chamaram a atenção de Thurston Moore, que os convidou para abrir shows do Sonic Youth e lançou, em 2004, I Trust My Guitar, Etc por sua gravadora, a Ecstatic Peace. Tão ou mais intenso quanto as referência da banda, o disco é um turbilhão de acordes dissonantes, batidas aceleradas, barulhos atonais e gemidos desesperados da vocalista e guitarrista Elisa Ambrogio. Gravações toscas e estruturas pouco atraentes impediram que as canções do trio fossem captadas pelos radares imprensa, deixando o Magik Markers de fora quando o assunto era o revival no wave – melhor assim, pelo menos eles não foram incluídos num balaio cheio de artistas meticulosamente toscos. Recomendado para fãs de Bikini Kill, Royal Trux, Free Kitten e Velvet Underground. […]

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: